13/04/2018 14h13

Economia frágil: setor de serviços avança só 0,1%

Dados divulgados pelo IBGE mostram a dificuldade de recuperação da economia brasileira

O setor de serviços avançou 0,1% em fevereiro na comparação com janeiro. Em relação ao mesmo mês do ano passado, recuou 2,2%, acumulando queda de 1,8% no ano. Já no acumulado dos últimos 12 meses recuou 2,4%, a 33ª queda consecutiva. É o que aponta o levantamento divulgado nesta sexta-feira (13) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O índice acumulado em 12 meses está negativo desde junho de 2015. Porém, o ritmo desta queda tem desacelerado desde abril de 2017, quando ficou em -5,1%.

O resultado veio bem abaixo do esperado e insuficiente para recuperar as perdas do mês anterior, mostrando a dificuldade da recuperação do setor. A expectativa era de alta de 0,5% na comparação mensal, segundo pesquisa da Reuters.

O ligeiro avanço na passagem de janeiro para fevereiro vem após uma queda de 1,9%, a mais intensa desde março de 2017.

Entre as atividades que compõem o setor, somente a de serviços profissionais, administrativos e complementares registou alta, de 1,7%.

As demais quatro atividades vieram em queda, sendo a de serviços prestados às famílias (-0,8%) a de maior impacto. As demais são serviços de informação e comunicação (-0,6%), transportes, serviços auxiliares aos transportes e correio (-0,3%) e outros serviços (-0,7%).

Na comparação anual, a queda de 2,2% foi quarta consecutiva nesta base de comparação, mas a menos intensa desde 2015, quando o recuo havia sido de 3,9%. Três das cinco atividades tiveram resultados negativos nesta base de comparação, sendo a mais intensa observada na de serviços de informação e comunicação (-4,9%).